terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Esfinge de mim

Saber o que?
Fazer pra onde?
Estar aqui...
Não tem pra quê.
Se sei que sou,
Faça algo disso você!

Por que eu não sei o que,
Nem onde ser,
Ainda assim, aqui estou,
Não quero ter que,
Do que sou, disso não sei!
E quem é você?

Achar que sabe,
Descobrir que não,
Isso é estar aqui,
Achar que as coisas tiveram que,
Tentar ser,
Tornar-se o que se é pra ser...

Quando souber
Fazer, farei!
Explicarei o estar aqui,
Terei algo, uma coisa,
De mim pra vocês,
Serei por todos!

Saber o que?
Aonde tem?
Estaremos aqui?
Algo tem que?
Quem sabe o que é?
Por que pra quês?

3 comentários:

  1. Legal o ritmo e os enjambementes ocasionais.

    ResponderExcluir
  2. e muito boa a ligação entre as estrofes.

    ResponderExcluir
  3. O importante não é obter respostas, mas descobrir aquilo que queremos questionar, é ter consciência da interrogação que trazemos ao mundo e compartilhar a sabedoria de não saber.

    ResponderExcluir

Pessoas que leram esse texto